quarta-feira, 2 de novembro de 2011

O DIA DE FINADOS.

*IMAGEM: FILME "AMORES PERROS" DE ALEJANDRO GONZALES IÑARRITU
CARO DIÁRIO.
NOS DIAS JÁ FINADOS, AS PERGUNTAS PROLIFERAM...
A INDÚSTRIA QUÍMICA E/OU PSICOTRÓPICA CRESCE COM A TRANSFORMAÇÃO DOS CIDADÃOS EM CONSUMIDORES DILACERADOS PELO VÍCIO E NÃO PELA NECESSIDADE...
AS CONVERSAS TELEFÔNICAS SÃO IMPOSSÍVEIS, POIS SOMENTE A ESCRITA COMUNICA...
AGUARDO, PORTANTO, CARTAS VIA CORREIO.

domingo, 10 de julho de 2011

A VOZ DO PRÓXIMO...

*IMAGEM: EX VOTO CORAÇÃO.
Quando ela se achou velha, calmamente resolveu dependurar as chuteiras (nos negócios, do amor, nunca foi uma jogadora do primeiro time) e assumir a velhice com dignidade. Então ouviu a voz do próximo: “Que horror, mas como uma pessoa se entrega desse jeito, ficou até desleixada, presença negativa! De repente parece que resolveu envelhecer e envelheceu tudo, sem nenhuma luta, isso só pode ser neurose, há de ver, quer provocar piedade, é uma punitiva!”. 
Muito impressionada com o que ouviu ela resolveu reagir, lutar por uma imagem melhor. Fez plástica, pintou os cabelos, comprou roupas da moda e começou a namorar outra vez. Então ouviu a voz do próximo: “Mas que ridícula! Caindo de velhice e ainda querendo fazer charme, uma desfrutável! Já puxou a cara uma três vezes, se pinta feito uma palhaça, virou arroz de festa e ainda namorando um moço que podia ser seu filho! Devia se recolher, devia ir rezar!”.
Muito impressionada com o que ouviu ela resolveu se afastar da vida frívola, das vaidades deste mundo e na solidão decidiu entrar para um convento, quem sabe no convento se encontraria? E se encontrando, quem sabe encontraria Deus? Então ouviu a voz do próximo: “Depois de velho o Diabo faz-se ermitão! Vê se é possível uma vocação assim retardada, por que só agora essa mania de religião? Tudo mentira, afetação, vontade de ser original, imagine se vai durar... Quando descobrir que ninguém está ligando, deixa de bancar a santa. Pode ser também que esteja esclerosada, pode ser isso, esclerose!”
Muito impressionada com o que ouviu ela resolveu sair do convento e num dia de depressão mais aguda decidiu se matar. Mas queria uma morte silenciosa, sem chamar a menor atenção – se possível, sem deixar sequer o corpo, estava tão triste consigo mesma que achou que nem o enterro merecia. Tirou a roupa para não ser identificada, dependurou na cintura uma sacola com pedras e entrou no rio. Então ouviu a voz do próximo: “Está vendo? A vida inteira ela só quis uma coisa, se exibir, se mostrar, uma narcisista até na hora em que cismou de morrer, imagine, entrar nua no rio! No velho estilo para provocar escândalo. Só para comover, mas a mim é que não comoveu, ao contrário, fiquei tão decepcionada, que idéia de querer fazer da morte um espetáculo."Muito impressionada com o que ouviu (e ouviu tão mal, a voz do próximo longe demais, quase apagando) ela quis gritar de alegria, quis rir, rir – mas então era assim? – ô Deus – e se preocupando com isso, perdendo a vida, que maravilha não ter morrido, quer dizer que alguém entrou no rio para salvá-la? Maravilha, coisa extraordinária, quer dizer que? ... Mas onde estava agora? No hospital? Se estava ouvindo, hein?! Se estava ouvindo – e livre, para sempre livre, ah, como demorou para entender que os outros – ah, que demora para se libertar, nascer de novo! Então ouviu a voz do próximo (desta vez, tão longe que ficou um sopro) pedir depressa a tampa, já estava passando da hora de fechar o caixão. 
*A VOZ DO PRÓXIMO - LYGIA FAGUNDES TELLES

terça-feira, 5 de julho de 2011

NOTAS SOBRE UM ESCANDÂLO...

*IMAGEM: FILME "UM ESTRANHO NO NINHO/One Flew Over the Cuckoo's Nest", DIRIGIDO POR MILOS FORMAN
ULTIMAMENTE TENHO SIDO MUITO FIRME NA MINHA CAMPANHA PESSOAL DE CONTENÇÃO DE ESCÂNDALOS, POR ISSO DESAPARECI...

sexta-feira, 17 de junho de 2011

PEQUENAS EPIFANIAS DO EU PROSTITUTO NA RUA AUGUSTA-CIDADE...

* Para ser lido ao som de Patti Smith
Caro Diário
Fim de tarde.
Dia banal, terça, quarta-feira. Eu estava me sentindo muito triste (é ai que escrevo textos longos!).
Você pode dizer que isso tem sido freqüente demais, ou até um pouco  choroso(ou muito) chato.
Mas, que se há de fazer, se eu estava mesmo muito triste? Sorrir pra fingir que é verdade, pra que?
Tristeza-garoa, fininha, cortante, persistente, com alguns relâmpagos de catástrofe futura. Projeções: e amanhã, e depois? e trabalho, amor, moradia? o que vai acontecer?
Típico pensamento-nada-a-ver: sossega-o-rabo, o que vai acontecer acontecerá. Relaxa, baby, e flui: barquinho na correnteza, Deus dará.
Essas coisas meio piegas, meio burras, eu vinha pensando naquele dia.
Resolvi andar. Andar e olhar. Sem pensar, só olhar: caras, fachadas, vitrinas, emos, automóveis, nuvens, anjos bandidos, undergrounds relinchando, fadas piradas, pessoas com cara de bunda, descargas de monóxido de carbono.
Da praça Roosevelt, fui subindo pela Augusta, enquanto lembrava uns versos de Cecília Meireles, dos Cânticos: "Não digas 'Eu sofro'. Que é que dentro de ti és tu? / Que foi que te ensinaram/ que era sofrer ?" 
Mas não conseguia parar. Surdo a qualquer zen-budismo, o coração doía sintonizado com o espinho. Melodrama: nem amor, nem trabalho, nem família, nem gozo, quem sabe nem moradia - coração achando feio o não-ter.
Abandono de fera ferida, bolero radical. Última das criaturas, surto de lucidez impiedosa. Disfarçado, comecei a chorar.
Troquei os óculos de lentes claras pelos negros ray-ban-filme, shortinho-Valdirene. Resplandecente de infelicidade, eu subia a Rua Augusta no fim de tarde do dia. Tão idiota que parecia não acabar nunca. Ah! como eu precisava tanto de alguém que me salvasse do pecado de querer abrir o gás. Foi então que a vi.
Estava encostada na porta de um bar. Um bar brega - aqueles da Augusta-cidade, não Augusta-jardins. Uma prostituta, isso era o mais visível nela. Cabelo mal pintado, cara muito maquiada, minissaia, decote fundo. Explícita, nada sutil, puro lugar comum patético. Em pé, de costas para o bar, encostada na porta, ela olhava a rua. Na mão direita tinha um cigarro, na esquerda um copo de cerveja.
E chorava, ela chorava. Sem escândalo, sem gemidos nem soluços, a prostituta na frente do bar chorava devagar, de verdade.
A tinta da cara escorria com as lágrimas. Meio palhaça, chorava olhando a rua. Vez em quando, dava uma tragada no cigarro, um gole na cerveja. E continuava a chorar - exposta, imoral, escandalosa - sem se importar que a vissem sofrendo.
Eu vi. Ela não me viu. Não via ninguém, acho.
Tão voltada para a própria dor que estava, também, meio cega. Via pra dentro: charco, arame farpado, grades.
Ninguém parou. Eu, também, não. Não era um espetáculo imperdível, não era uma dor reluzente de néon, não estava enquadrada ou decupada.
Era uma dor sujinha como lençol usado por um mês, sem lavar, pobrinha como buraco na sola do sapato. Furo na meia, dente cariado. Dor sem glamour, de gente habitando aquela camada casca grossa da vida.
Sem o recurso dessas benditas levezas de cada dia - uma dúzia de rosas, uma música de Caetano (credo), uma caixa de alfajores ou figos.
Comecei a emergir. Comparada à dor dela, que ridícula a minha, dor de brasileiro-médio-chinfrim. Fui caminhando mais leve. Mas só quando cheguei à Paulista compreendi um pouco mais.
Aquela prostituta chorando, além de eu mesmo, era também o Brasil. Brasil 87, 97 ou 2007?: explorado, humilhado, pobre, escroto, vulgar, maltratado, macabeano, abandonado, golpeado, irado e sem um tostão, cheio de dívidas, solidão, doença e medo.
Cerveja e cigarro na porta do boteco vagabundo: carnaval, futebol. E lágrimas.
Quem consola aquela prostituta?
Quem me consola?
Quem consola você, que me lê agora e talvez sinta coisas semelhantes?
Quem consola este país tristíssimo?
Vim pra casa humilde. Depois, uma amiga me chamou para ajudá-la a cuidar da dor dela. Guardei a minha no bolso. E fui.
Não por nobreza: cuidar dela faria com que eu me esquecesse de mim. E fez. Quando gemeu "dói tanto", contei da moça vadia chorando, bebendo e fumando (como num bolero).
E quando ela perguntou "porquê?", compreendi ainda mais.
Falei: "Porque é daí que nascem as canções".
E senti também um amor imenso. Por tudo, sem pedir nada de volta. Não-ter pode ser bonito, descobri. 
Mas pergunto inseguro, assustado: a que será que se destina?

sexta-feira, 3 de junho de 2011

TROCA-TROCA ENTRE PRIMOS.


*IMAGENS: NAN GOLDIN
CARO DIÁRIO
PARA SER LIDO AO SOM DE ANTONY AND THE JOHNSON...
ADORARIA TER LEVANTADO FEITO AS PRINCESAS DA DISNEY, COM CARA DE "FUI BEIJADA POR UM PRÍNCIPE" OU "UMA FADA MADRINHA APARECEU EM MINHA VIDA E OLHA: COMO MEUS CABELOS E PELE MELHORARAM? (IN)FELIZMENTE NÃO LEVANTEI ASSIM, ULTIMAMENTE ANDO LENTO, COISAS PRA FAZER E/OU REFAZER... VIDA PRA RECOMEÇAR! 
ESTA HISTÓRIA DE PRINCESAS, REFEZ "ME-MEMORAR" UM EPISÓDIO ENGRAÇADO E QUE ACONTECEU ENTRE PRIMOS (NÃO É UMA HISTÓRIA DE TROCA-TROCA, DIGO DESDE JÁ VIU!). FOI HÁ ALGUNS ANOS ATRÁS, TINHA ASSISTIDO "A BELA E A FERA" E OK. ÓTIMA SESSÃO DA TARDE.
MINHA PRIMA VEIO COM OUTROS PARENTES PARA UMA BREVE VISITA E ACABOU ASSISTINDO O MESMO FILME. PASSEI PELA SALA E A MESMA CHORAVA COMPULSIVAMENTE, COMOVIDA PELA TRISTE HISTÓRIA DA BELA, POIS A FERA ERA UMA CRIATURA TERRÍVEL, HORRÍVEL MESMO! LOUCA!!!
DEU UMA ENORME VONTADE DE RIR, MAS FIQUEI ASSUSTADO, POIS LÁ CÁ COM MEUS BOTÕES, A FERA ERA A "VERDADEIRA" VÍTIMA DA HISTÓRIA (HAVIA SIDO AMALDIÇOADO E ENCAPSULADO NUM "FARDO")  E A BELA ESTAVA NO BEM-BOM, NUM CASTELO LINDO E COM CRIATURAS MÁGICAS E ONÍRICAS. TINHA  CAMA CONFORTÁVEL, COMIDA FARTA E QUENTINHA E ATÉ ROUPA LAVADA (SEM CONTAR OS INÚMEROS VESTIDOS NOVOS).
A VIDA DA BELA LONGE DA FERA ERA UMA MERDA, O PAI UM FRACASSADO-AUSENTE VICIADO EM JOGATINA E SEU PRETENDENTE, O GASTÃO, UM EGOLÓTRA VICIADO TAMBÉM, MAS NO PRÓPRIO EGO. O MUNDO ATUAL COPIA O GASTÃO. 
TALVEZ PERCO TEMPO FALANDO DISSO, POIS A VIDA (PELO MENOS A MINHA) É UM DESENHO NADA ANIMADO COM OGROS, PSICOPATAS, PERSONAGENS SAINDO DO FILME "MULHER SOLTEIRA PROCURA", MAS COMO DIZ MARÍLIA GABRIELA, VOLTANDO AO ASSUNTO, ANOS SE PASSARAM. CAFÉ DA TARDE VAI, CAFÉ DA MANHA VÊM E ACABAMOS DEPOIS DE MUITOS PÃEZINHOS AMANHECIDOS A FALAR DE CONTOS DE FADAS, POIS NOSSAS VIDAS ESTAVAM MAIS PARA FILMES "B" DE TERROR DA DÉCADA DE 70, SEM QUERER O ASSUNTO ACABOU CAMINHANDO PARA O DIA EM QUE AMBOS ASSISTIMOS O DESENHO E TIVEMOS SENSAÇÕES E REAÇÕES ADVERSAS, MAS SEM EFEITOS COLATERAIS, CLARO.
PARECÍAMOS, NESTA CENA, DUAS NAZARÉS-RAPOSAS-FELPUDAS, COM SEUS CONHAQUES, SEM FADAS, PRÍNCIPES, SAPOS E ESTRELINHAS CINTILANTES NO CÉU. ACABAMOS DEPOIS DE MUITOS "CAFÉS MANCHADOS DE LEITE", PÃES FRANCÊS (NEM SEMPRE FRESQUINHOS) E MARGARINAS DE MARCA BARATA, DESCOBRINDO QUE É NECESSÁRIO TER A FANTASIA, CONTUDO, É NECESSÁRIO ENCARAR A VIDA SEMPRE E SABER COMO ELA REALMENTE É. DEVEMOS ASSIM CONHECER  A VIDA, PARA ASSIM AMÁ-LA CONFORME ELA SE APRESENTA PRA VOCÊ. É UM CONTRASTE! É NECESSÁRIO VIVER A VIDA, PARA TER A VIDA, QUE NÃO VIVEMOS SE NÃO NOS SAÍMOS DE NÓS.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

OS METRÔS E TRENS EM ENVERGADURA...

*IMAGEM: VALÉRIA E JANETE, QUADRO DO PROGRAMA "ZORRA TOTAL".
CARO DIÁRIO
VALÉRIA DISSE TUDO SOBRE A FALTA DE ESPAÇO...(subjetivos, oníricos, sociais, reais, etc)
- QUER MAIS ESPAÇO?
FAZ A ANGÉLICA!
VAI DE TÁXI.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

CONTRA CORRENTE

*IMAGEM: YO Y MI ABUELO.
CARO DIÁRIO
QUANDO EU ERA PEQUENO OLHAVA PELA JANELA E PENSAVA COISAS PODEROSAS, QUE PODERIAM MOVER TODO UM MUNDO, QUE MESMO SEM TER NEM IDÉIA, PODERIA SOFRER O PODER DOS PENSAMENTOS: ANTECIPAVA ALGUMAS MUTAÇÕES PREVISÍVEIS NAQUILO QUE ATUALMENTE CONHECEMOS COMO DIAS, E SE ARRISCAVA ENTÃO A IMAGINÁ-LOS EM UM FUTURO IMEDIATO.
EU SÓ PRETENDIA SER POROSO.

domingo, 1 de maio de 2011

MINHA VIDA EM COR-DE-ROSA...

*IMAGEM: FILME "MINHA VIDA EM COR-DE-ROSA/ MA VIE EN ROSE"
HI DEAR
DEUS-O QUE VOCÊ QUER MAIS?
QUERO TE FAZER UMA PERGUNTA. APENAS UMA SÓ!
POR QUE VOCÊ NUNCA CONSEGUIU GOSTAR DE MIM? AS CRIANÇAS SENTEM AS COISAS! 
VOCÊ NUNCA TEVE AMOR POR MIM? POR QUÊ?
VOCÊ NUNCA GOSTOU DE MIM, POIS VOCÊ QUASE NUNCA DESCEU DO CÉU PARA ME BEIJAR OU ME PEGAR NO COLO E SEQUER TIVERA TEMPO PARA CONTAR UMA HISTÓRIA E/OU UMA CANÇÃO-CANTADA POR NÓS DOIS.
VIVI NUM BAIRRO QUE QUANDO CHOVIA TUDO VIRAVA LAMA, MAS EU NÃO PODIA BRINCAR NA CHUVA E/OU SER LEVADO PELAS ENXURRADAS. EU TINHA DE FICAR INTEIRO, MESMO COM BRONQUITE E DOENÇAS FORTUÍTAS! 
A COISA QUE EU MAIS QUERIA NA VIDA ERA PARECER COM VOCÊ.
SEI QUE O DIÁLOGO DESLIZA RAPIDAMENTE PARA O ABSURDO E/OU PARA O CÔMICO.
EU ERA TORTO E ERRADO, MEUS DENTES CARIADOS E O CABELO RUIM, MESMO ASSIM EU TENTEI, COMEÇEI A VIVER, MAS A MINHA VIDA DEU ERRADO E OS GALHOS ENVERGARAM!
EU NÃO ERREI. EU AMEI!
QUERIA SER UM TURISTA DE BERMUDA COM ESTAMPAS DE ELEFANTES.  
MAS SOY PERSONA E FIQUEI COMO UMA VACA SEM SINO, PERDIDO E SEM RUMO OU DESTINO, SEM PILAR DE SUSTENTAÇÃO! 
VOLTEI PARA O MEU VILAREJO E COMEÇEI A ENTOAR AS CANÇÕES COM AS MULHERES DO  LUGAR.
...ESTÃO ME ENSINANDO A BORDAR ... E TALVEZ NAS FESTAS DOS GRANDES SERTÕES VEREDAS APRENDO A BAILAR.
DIZEM QUE MEUS ESCRITOS SÃO DOLOROSOS, VIOLENTOS E MELANCÓLICOS...
SIMPLESMENTE RESPONDO QUE NÃO SEI ESCREVER ROMANCES COR-DE-ROSA!
TALVEZ O PROBLEMA ESTEJA NA COR.
FIM E NADA MAIS A DECLARAR.

terça-feira, 26 de abril de 2011

domingo, 24 de abril de 2011

CEMITÉRIO DAS PALAVRAS.

*IMAGEM: TOULOSSE LAUTREC, "A CAMA", 1983. 
"EMBORA POR VEZES NÃO DEIXASSEM DE RECLAMAR, NINGUÉM NUNCA PODERIA JULGÁ-LO PELA FREQUENTE DA ESCOLHA DA SOLIDÃO: HÁ DIAS EM QUE NÃO IMPORTE ONDE SE ESTEJA, DENTRO DE SI A FESTA É SEMPRE MAIS ANIMADA."
TEXTO DE A. LAUMOUNIER

quinta-feira, 21 de abril de 2011

NO SURPRISES

*IMAGEM: ALESSANDRA SANGUINETTI IN: "A SÉRIE LAS AVENTURAS DE GUILLE Y BELINDA Y EL ENIGMÁTICO SIGNIFICADO DE SUS SUEÑOS"
CARO DIÁRIO
MINHA VIDA VIROU UM INFERNO OU UM FILME TRISTE...DAQUELES QUE ASSISTIMOS NOS CINEMAS DE ARTE...MAS MESMO ASSIM PENSEI, CHOREI E ESCREVI ...
CARO DIÁRIO...
ACOSTUMAR A SOFRER TÊM LÁ AS SUAS VANTAGENS, QUEM SABE ATÉ AMANHÃ TENHAMOS UMA BOA NOITE, SEM SONHOS OU DEVANEIOS?
LEMBRE-SE DE QUE OS GRANDES AMIGOS TÊM QUE GOSTAR MUITO, MUITO, MUITO, MUITO, MUITO, MUITO, MUITO, MUITO UM DO OUTRO....COM M, COMO EM MÚSICA OU EM MUNDO.
PRIMEIRA PREMISSA: OS GRANDES AMIGOS DEVEM AMAR MUITÍSSIMO UNS AOS OUTROS.
SEGUNDA PREMISSA: ADÃO E EVA TAMBÉM FORAM GRANDES AMIGOS.
CONCLUSÂO: LOGO, EU E TODOS OS FILHOS DE ADÃO E EVA DEVERÃO AMAR MUITÍSSIMO UNS AOS OUTROS.
TAMBÉM SEI QUE NADA DO QUE VIVEMOS TEM SENTIDO, SE NÃO TOCAMOS O CORAÇÃO DAS PESSOAS.
BATI COM A CABEÇA NA PEDRA
FIM

terça-feira, 12 de abril de 2011

NAS QUATRO ESTAÇÕES...

*IMAGEM: ALESSANDRA SANGUINETTI IN: "A SÉRIE LAS AVENTURAS DE GUILLE Y BELINDA Y EL ENIGMÁTICO SIGNIFICADO DE SUS SUEÑOS"
...AS FLORES ME DEFINIRAM!

sábado, 9 de abril de 2011

A AGENDA DO FIM DOS TEMPOS.

"IMAGEM: SÉRIE "BLOW-UP", ACERVO AUTOR, 2011.
QUERIDO
O IMPORTANTE NÃO ERA ESTAR ALI PARADO, COM REZOS OU SEM REZOS, A OLHAR UMA SEPULTURA, O IMPORTANTE FOI TER VINDO, O IMPORTANTE É O CAMINHO QUE SE FEZ, A JORNADA QUE SE ANDOU, SE TENS CONSCIÊNCIA DE QUE ESTAS A PROCURAR A PROLONGADA CONTEMPLAÇÃO É POR QUE TE OBSERVAS A TI MESMO, OU PIOR AINDA, É PORQUE ESPERAS QUE TE OBSERVEM!

terça-feira, 29 de março de 2011

QUEM TEM MEDO DE ELIZABETH TAYLOR?



*IMAGEM: LIZ TAYLOR EM “QUEM TEM MEDO DE VIRGINIA WOOLF”, DIRIGIDO POR MIKE NICHOLS, 1966. 
CARO DIÁRIO
ELA SIMPLESMENTE NASCEU E SEM PEDIR LICENÇA FOI TER COM SUA ANSIEDADE DE ESTRELA: O PLURAL.
NÃO HOUVE TEMPO PARA SABER SE AQUILO ERA FELICIDADE OU SE DEIXAVA DE O SER, AS PALAVRAS FORAM DELA E OS AMORES TAMBÉM.
É TAMBÉM O QUE ELA CRÊ, POR ISSO O BOLO É COMO A METADE DE UMA DESPEDIDA. JAMAIS CANTAVA "PARABÉNS PRA VOCÊ".
LIZ SEMPRE LÚCIDA TAMBÉM NUNCA LIGOU PRA MIM PERGUNTANDO COMO EU ESTAVA? MAS DELA SINTO FALTA! POIS UMA COISA APRENDI COM A PESSOA LIZ: "MESMO ENTRE LOBOS, NUNCA ESQUEÇA QUEM VOCÊ É!"
MISS TAYLOR, NUNCA FOI UMA DESTAS MULHERES PATETAS QUE, LÁ POR QUE ESTÃO NA IDADE DOS ENTUSIASMOS IRREFLETIDOS, PASSAM O TEMPO A CORRER ATRÁS DE NÉVOAS, FANTASIAS E IMAGINAÇÕES.
ENTÃO AMOU E ATÉ ROUBOU O MARIDO DAS OUTRAS. AGORA O AMOR DELA ESTÁ ADORMECIDO, PORÉM COM ESPERANÇA!
SIM, É CERTO POR MAIS ESPESSAS E NEGRAS QUE ESTEJAM AS NUVENS SOBRE AS NOSSAS CABEÇAS, O CÉU LÁ POR CIMA ESTARÁ PERMANENTEMENTE AZUL E LIZ TAMBÉM ESTARÁ LÁ!!!!
fim

quarta-feira, 16 de março de 2011

MARIA BETHÂNIA DEVOLVA OS 20 REAIS DO VANESSÃO!

CARO DIÁRIO
MARIA BETHÂNIA CONSEGUIU AUTORIZAÇÃO DO MINISTÉRIO DA CULTURA  PARA A CAPTAÇÃO DE 1,3 MILHÃO DE REAIS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM BLOG. A IDÉIA É LINDA (VIDEOS DA CANTORA INTERPRETANDO POEMAS, UM POEMA POR DIA, 365 POEMAS POR ANO, MAS OS ANOS COM 29 DIAS NO MÊS DE FEVEREIRO????...GLUP).
O MUNDO PRECISA DE POESIA E DEVANEIO, MAS ISSO ME FAZ RECORDAR DE UM LINDO DIÁLOGO DO FILME "TUDO SOBRE MINHA MÃE" - AGRADO AO SER INDAGADA POR MANUELA SE O VESTIDO QUE A MESMA USAVA ERA UM AUTÊNTICO CHANEL, A MESMA RESPONDE EM FORMATO DE POESIA:
"- COMO EU PODERIA GASTAR MILHÕES COM UM CHANEL? A ÚNICA COISA QUE TENHO DE VERDADEIRO SÃO OS SENTIMENTOS E QUILOS DE SILICONE QUE ME PARECEM PESAR TONELADAS!
O GRUPO MOMJOBÓ DE RECIFE TEVE DE PRATICAMENTE VENDER A ALMA PRA CAPTAR 35 MIL REAIS PARA A REALIZAÇÃO DO PRIMEIRO DISCO PELA LEI DE INCENTIVO À CULTURA.
GENTE....DÁ PRA CRIAR UM BLOG DE GRAÇA...O MEU É UMA MERDA (EU SEI), PORÉM NÃO  CUSTOU NADA... A NÃO SER ME DESPIR UM POUCO, USANDO A SINCERIDADE QUE DE VEZ EM QUANDO AFLORA E A MENTIRA QUASE SEMPRE (POIS OS "POETAS" SÓ ESCREVEM MENTIRAS, POIS NÃO HÁ GRAÇA NENHUMA NAQUILO QUE ACREDITAM).
NÃO VAI ME DIZER QUE VOCÊ NUNCA VIU UMA PONTA DE REMORSO NO ÚLTIMO PONTO FINAL DE UMA POESIA?
AI A GAL (LOUCA E DE BOCA VERMELHO TRAVESTI) APARECE E ME RETRUCA: "MAS HÁ POESIAS QUE TERMINAM SEM UM PONTO FINAL!"
XEQUE MATE NELA: "AI É QUE ESTÃO OS MAIORES REMORSOS SUA LOUCA....MEU NOME É GAL...LÁ LÁ LÁ ", JÁ SACOLEJANDO UM SAPATEADO TRANSFORMISTA! 
AI ME PERGUNTARAM O QUE EU ACHO.
QUER SABER?
A BETHÂNIA QUE SE DANE!...EU TENHO UM MONTE DE PROBLEMAS, DEZENAS DE COISAS PRA RESOLVER E MARIA BETHÂNIA NÃO LIGA PRA MIM PERGUNTANDO COMO ESTOU. SE ESTOU COM FEBRE? SE ELA PODE FAZER ALGO?.
DEIXA EU PARTIR...POIS TENHO DE CONTAR AS MOEDINHAS PRA COMPRAR O PÃO DO CAFÉ DA TARDE.
ABRAÇOS PRA QUEM FICA! 

quarta-feira, 2 de março de 2011

REMINISCÊNCIAS DO EU CADUCO...

*IMAGEM: ROSANGELA RENNÓ
"Esquecer está além de queimar fotografias!
Esquecer está mais para não lembrar-se, não creio ser possível apagar simplesmente. um acordo com o tempo e não existem mais lembranças!"
texto: d.t.