sábado, 4 de julho de 2015

ESTE RELATO TAMBÉM É UMA PERGUNTA!?


PARA SER LIDO AO SOM DE MARCELO CAMELO Ê/OU TIÊ...
HI DEAR! CARO DIÁRIO.
TODO DIA DEVE SER VIVIDO EM EXCESSO, SEM AMARGURAS, RESSENTIMENTOS E SEM COISAS ENTALADAS.
LIMITO ME A CONTAR AS PATÉTICAS AVENTURAS DE UM SER BARROCO NUMA CIDADE TODA FEITA CONTRA MIM.
DESCULPAI-ME, MAS VOU CONTINUAR A FALAR DO MEU DESCONHECIDO E TAMBÉM POR TER SIDO OBRIGADO A CULTIVAR A PRÓPRIA COMPANHIA E AO DEPARAR COM O ESPELHO, ME SURPREENDO MAIS UM POUCO, POIS DESCOBRI QUE SOU UMA VACA SEM SINO: PERDIDA, SEM RUMO E SEM DESTINO.
ESTOU ESQUENTANDO O CORPO COM AS VÁRIAS VELAS DE SETE DIAS ENTRE ANJOS E DEMÔNIOS, POIS A REZA É UM MEIO DE MUDAMENTE E ESCONDIDO DE TODOS SER ATINGIDO PELAS ÁCIDAS CHUVAS.
ESSE QUEM SERÁ QUE EXISTE?
USTED TAMBÉM ME PERDOA?
O MATERIAL DE QUE DISPONHO É PARCO E LOUCO DEPRESSIVO: LIMITO ME A HUMILDEMENTE (MAS SEM FAZER FURDUNÇO DE MINHA HUMIDADE QUE JÁ NÃO SERIA MAIS HUMILDE).
APROVEITO A DEIXA E AVISO AOS AGIOTAS QUE PAGAREI QUANDO PUDER?
OS SENHORES TAMBÉM ME PERDOAM E AS CARPIDEIRAS TAMBÉM?
TENDO COMO CONTRA-TOM O BAIXO GROSSO DO SAL GROSSO, POIS HOJE É DIA DE BANHO! TENTAREI FAZER DO FATO UM ATO?
SOU BURRA E AINDA ACREDITO EM MILAGRES (ACREDITO SIM!) E QUE OS INCENSOS ESVOACEM EM VESPAS TRANSPARENTES, POIS BEM SEI QUE CADA DIA É UM DIA ROUBADO DA MORTE, ASSIM ROUBO UM SANTO AQUI E UM LIVRO OU FLORES ACOLÁ (INCLUSO AS VELAS, CUJOS PREÇOS ESTÃO PELA HORA DA MORTE; PEÇO A DEUS QUE TAMBÉM ME PERDOE!).
ROUBO DE TODOS OS DIAS MAIS UM DIA!
PERDOO-TE, QUE NÃO TEM POBREZA DE DINHEIRO, MAS TEM POBREZA DE ESPÍRITO E O CAFÉ DO CONVITE FICOU NAS SAUDADES.
ENTÃO, CANTO ALGO AGUDO NUMA MELODIA ESTRIDENTE EM QUE ALMEJO O QUENTE E O FRIO.
PORQUE HÁ O DIREITO AO GRITO E TAMBÉM AO CANTO DOS CÂNTICOS!
NADA CINTILARÁ, POIS SOU MATÉRIA OPACA E QUERIA TANTO SAIR POR AÍ DE OPALA, COMO NO FILME "THELMA E LOUISE", O QUE ESTOU DIZENDO ESTÁ NÚ NA PENUMBRA ATORMENTADA, QUE SEMPRE HÁ NOS SONHOS, QUANDO DE NOITE INGERINDO DOIS RIVOTRIL.... ATORMENTADO E CEDADO, DURMO!
QUEM MORRE, DESCANSA.

Nenhum comentário: