sábado, 23 de abril de 2016

QUEIXA



Queixa,


o pessegueiro fantasma
em holograma
não tem rosto
preso nas carnes da parede
a dois passos do sofá
a ovelha no fim do corredor
ruídos daquelas flores que perplexam
em único giro
completo a sala rodopia
tão rápido
quem fechariam as janelas



e essa corda de piano tesa que quer cortar tudo pelo meio
sem sujeira
o chão é de espelhos
para que alguns caiam em sí
almas nuas
correm decapitadas
no sonho dos dormitórios
sem noite
pisoteiam borboletas mortas  pardas



perseguem serpentes cosméticas
no adro verde ralo
a ronda estala a crepitar folhas de vidro
atrás do último portão
rosto frio
sob as patas cruas de dois cães insones


gueixas queixas  oscilam em microondas
trovões dentro dos livros
uma nuvem de cabelos flutuam sobre a mesinha de centro
como se respirar fosse fácil
chovem lágrimas de pássaros
nas xícaras inodoras
de padronagens red blue white
a palavra mais importante da minha língua e não da sua têm apenas uma única letra: É

sexta-feira, 15 de abril de 2016

GUEIXA DA GRIPE CUBISTA FLAMINGA REMIX!

Gueixa hippie
Da gripe cubista
Aquele linguajar
De flerte mondrian

Olha elaaaa!!!
De pernas abertas
Seu coração de baquelite
Alexander Mcqueen
Cruzadas Chanel

Sob o sal do sol
Dos flashes
O olhar da sua pança
Maromba curva
Da sua bunda turva
Cus anis estrelados

De quando faz ballet
Asas
Garras
Taras
Vogue vogue vogue vogue vogue
James Dean
Franco Maludo
Liz Taylor
Madonna
Bjork
Beyoncé
Que a nata do Brasil sacoleja
Beija chupa e bajula

A ida e
a vinda
A vida ainda
Não finda na passarela
Marreca peteca
Sem flores
Sem penas

O quadril da pistoleira
Cano longo chá verde
Vogue vogue vogue vogue
Da dança
Do conto do canto da conta

Que não come
Não bebe não teza
Não reza não deita
Não dorme não chora
Não goza
Não fala não porta não curva não sim
Não peca
Não chuca não'alma
Coisa petit
I'm bitch Madonna
Uhhuuuuh uhhhh!
Olha elaaaaa!
Flaminga remix!