terça-feira, 29 de novembro de 2016

SOLIDARIEDADE TAMBÉM CONTÉM A PALAVRA SÓ!


AUSÊNCIA DE AMOR?
ACOSTUMAMO-NOS A ISSO, A IDADE AJUDA;
AUSÊNCIA DE TERNURA, TAMBÉM SE ACEITARÁ;
O CORAÇÃO, ASSIM COMO O VENTRE,
ACABA POR ACEITAR PARA NADA.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

VOCÊ MENTE SEMENTE DEMENTE DORMENTE.

BUSQUEI EM SUA FARMÁCIA
 AS ESCRAVAS DE MEU SACRAMENTO. 
OS HIBISCOS DEFUMADOS DESCREVIAM  A FISIONOMIA DAS CURVAS SEM LÍNGUA QUE ÍNTIMAS CESSARAM DE EXISTIR, 
SEM HAVERMOS COMPOSTO A IMPRECISÃO
DOS SETE PALMOS QUE CAVEI, 
INÓSPITOS COMO ESTA 
CASA A CAMA.
           DE FATO, HÁ LISTRAS DEMAIS  
         EM NOSSOS PIJAMAS.

TOMEI NO CÚ E PASSEI BATOM...

DEIXAREI DE LADO O SAUDOSISMO QUE SÓ PREJUDICA E ATRASA, POIS O PROGRESSO AVANÇA IMPARÁVEL NAS CLINICAS DE CLAREAMENTO DENTÁRIO E NA SALVAÇÃO ESPIRITUAL COM OS PASTORES MATANDO O DIABO A TIROS, CONFESSO: FRACASSEI E COMI POEIRA.
TOMEI NO CÚ, ESQUECI DE VIVER A REALIDADE, SONHEI A VIDA TODA EM NÃO SER DA TERRA.
E O QUE TENHO, SE O CERTO É UMA POSSIBILIDADE, COMO FICA O ERRADO?
DE TÃO PERFEITO, REDONDO E ACABADO QUE SAIU O MUNDO, ACABARAM-SE AS INQUIETAÇÕES, OS CONSERTOS, OS AVIAMENTOS, POIS CREMOS QUE SABEMOS PERFEITAMENTE DE QUE ESTAMOS A FALAR, E NÃO NOS INTERROGAMOS SOBRE AS CAUSAS PROFUNDAS DA FALTA DE AFETO QUE ALI HÁ, OU A INDIFERENÇA, OU O ÓDIO.
SE AS SEMENTES SE ENTERRAM, E ELAS ACABAM POR NASCER, DESCULPE SE O ASSUNTO É O MESMO E SE ENTRE A SAÍDA E O REGRESSO DOU OUTRO MURRO NA CABEÇA: ESTOU A ACARRETAR VÉSPERAS COMO QUEM CARREGA PEDRAS. QUANDO JÁ NÃO PODEMOS COM A CARGA ACABOU-SE A TRANSPORTAÇÃO. O ÚLTIMO DIA É O ÚNICO A QUE NÃO PODERÁ SER CHAMADO DE VÉSPERA.
SE QUERO ENTRISTECER-TE.
SÓ ESTOU A FALAR DE COISAS SÉRIAS: VIVI, OLHEI, PERDI, VI, SENTI E AGORA JÁ NÃO SEI SE VIVI DE TUDO. TALVEZ SERIA MELHOR FINGIR QUE SE VIVE A VIDA ASSISTINDO O REPRISE NA SESSÃO DA TARDE DAS REDES SOCIAIS. SERÁ QUE O BOLINHO DE CHUVA COM CAFÉ SERIA UM BOM ACOMPANHANTE? AS VEZES FOSSE PREFERÍVEL NÃO SABERMOS QUEM SOMOS, NOS TORNANDO UM BARRO SÓ. PODERÍAMOS DORMIR COMO UMA PEDRA DEVERÁ DORMIR, SEM SONHOS, SEM ESTREMECIMENTOS, ATÉ SEM RESPIRAÇÃO, DESCANSANDO SOBRE O MUNDO O PESO TODO DA INFINITA FADIGA.
DORME, CINCO LETRAS, DUAS SILABAS, O FIM DO MUNDO NÃO É PRA JÁ, CORRER JÁ NÃO VAI ADIANTAR.

NÃO AMARÁS EM POLONÊS.

FUI PEDIR MAIS, DEI FALTA DOS MENOS,
PEDIR JÁ NÃO POSSO,
QUE A BOCA ME FALTA
QUIS TER PENA, ÓDIO TALVEZ,
MAS UMA PLACA DE METAL ESCLARECIA
"PROIBIDO AMAR",
FINCADA EM MINHA BOCA
CICATRIZ QUE LACROU OUTROS SENTIMENTOS