sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

STRANGER THINGS 3D,

 
ALGUÉM GRITOU NO CORREDOR APENAS UMA VEZ. OS ESTILHAÇOS DE SOM VIERAM ME ARRANCAR DAS ESCURAS FAVELAS D'ALMA, ONDE ANDAVA DESCOMPASSADO. PREPAREI PARA LEVANTAR E GRITAR TAMBÉM. A SOLIDARIEDADE NAS TRISTEZAS É UMA COISA MESMO MUITO RARA. A ESCURIDÃO NÃO É SOMENTE UMA PAREDE. O SILÊNCIO NOS IMOBILIZA NA BUSCA DA PALAVRA MAIOR.
SINATRA, PATTI  SMITH, ELVIS IMPOSSIBLE DREAM, NO ESPAÇO BRANCO DA PAREDE, PALAVRAS DE IDIOMAS QUE NÃO COMPREENDO ME ESMAGAM POR DENTRO E O ESPANTO ESBARRA NAS EPILEPSIAS DA ALCOVA SOLICITANDO COMPREENSÃO: AS PALAVRAS NÃO DIZEM TUDO,  NÃO DIZEM NADA. A FOME, SIM.
NO MOMENTO DO GRITO, SEI QUE O MEU NOME NINGUÉM SABERÁ, QUE A NOITE CHEGA E PARTA, OH POSIÇÃO HORIZONTAL QUE SE DELINEIAM COM AS ESTRELAS.
É MUITO TARDE PARA VOLTAR A DORMIR, DESAFIAREI A AÇÃO GRAVITACIONAL, ESPERANÇOSO PRO DIA DE HOJE...
.............................................................NÃO É FACIL, SOU CARNE E SANGUE.
.............................................................SE O FIM ESTÁ PRÓXIMO, NÃO ENCARO A CORTINA FINAL, LEVANTO E VOU LAVAR OS CABELOS. 
FIM, MAS CONTINUO.... 
(trecho do livro: sinatra, bullying e inconfidências - marcio branquinho, 2017/2018)

Nenhum comentário: